The Self-Escape fala sobre amores ingênuos e maduros no moderno ‘Save My Name’

The Self Escape fala sobre amores ingenuos e maduros no moderno Save My Name POP CYBER
Foto: Victor Gran

The Self-Escape lança nas plataformas de streaming o disco de estreia Save My Name, com 12 músicas conectadas por uma narrativa e que mesclam, de forma moderna, riffs de guitarra e sintetizadores junto à voz marcante e melódica do recifense Felipe Buarque. Two Feet, alt-J, The Weeknd e Polyphia são algumas referências da sonoridade desafiadora proposta neste álbum, uma peça única da música contemporânea feita no Brasil.

Ouça Save My Name na íntegra: https://distrokid.com/hyperfollow/theselfescape/save-my-name.

A música como forma máxima de escape, a livre e passional expressão e impressão do indivíduo diante de tudo que o rodeia por meio de sons e palavras. É assim que o cantor, compositor, guitarrista e produtor de Recife (Pernambuco), Felipe Buarque, explica The Self-Escape, que une pop, rock, elementos eletrônicos e groove em Save My Name.



Suas músicas levam os ouvintes a uma viagem por cenários sonoros cinematográficos e não à toa já lançou videoclipes que materializam o conceito por trás das algumas canções do álbum.

Save My Name é sobre a vida nos 20 tantos anos. As letras refletem sobre os romances avassaladores, ora inconsequentes, ora inocentes, entre altos e baixos, entre glórias e derrotas. Mas o disco é também sobre maturidade, traz a reflexão a partir de novas perspectivas de mundo.



The Self Escape carrega a narrativa de tudo isso por meio de temas como lidar com traumas/ansiedade, lutos e despedidas definitivas, do que é a busca mais madura, ainda que romântica, de uma parceira, de amor e de sexo.

Um dos destaques de Save My Name é a faixa Try Again, que tem participação de Pupillo, integrante fundador da Nação Zumbi, banda que fez parte até 2018. É uma música gênese do álbum, que evidencia sonoridades orgânicas com beats/programações.



“Ele ouviu, escutou bastante e se dispôs a gravar. Quem é pernambucano, qualquer brasileiro, sabe a tamanha satisfação e importância que é ter um membro fundador da Nação Zumbi ao seu lado. Pupillo é um produtor e baterista de renome e sua participação abrilhantou ainda mais essa música tão especial”, comenta Buarque.

O fio condutor do álbum

A sétima faixa do disco, Coming for Us, é importante para entender a trajetória do The Self-Escape. Buarque revela que a ideia de um álbum com um enredo de fio condutor, isto é, contar tudo numa só linha do tempo, surgiu a partir desta música. Diversos videoclipes no seu canal de Youtube ajudam a figurar esta história.

“Foi escrita quase como um roteiro de filme, contando até com diálogos. Encarando-a junto às outras músicas do álbum, acabou me surgindo uma história bem coesa sobre os personagens dela, mesmo que as outras músicas originalmente falam sobre pessoas diferentes em situações bem diferentes”, ele conta.

The Self-Escape, a gênese e primeiros passos

A jornada artística de Buarque enquanto The Self-Escape começou em 2018, ano em que iniciou produções de música alternativa com riffs de guitarra, sintetizadores pesados e uma voz barítona marcante.

Sua música leva os ouvintes a uma jornada por paisagens sonoras cinematográficas, que vão desde grooves sensuais até harmonias melancólicas e ritmos enérgicos.

Com mais de 3 milhões de streams em seus dois EPs e Mixtape, The Self-Escape já se apresentou em alguns estados brasileiros, tanto como atração de abertura quanto como curador de seu próprio evento, o Escape Sounds.

“Sempre fui mais do lado introspectivo e, assim como muitos outros de nós, a música sempre foi meu meio de expressão e companhia. Dos primeiros corações partidos no colégio à traumas e luto nos 20 e tantos. Enxergo como minha principal missão artística criar músicas que sejam companhias para as pessoas, sejam suas trilhas sonoras nos altos e baixos, poder expressar minhas ideias. Artisticamente esse é meu maior desejo”, ele fala sobre o que o envolve na música, que agora compartilha com o mundo por meio do The Self-Escape.

Save My Name Capa
Save My Name | Capa do álbum

Save My Name ficha técnica

Vocal, Guitarra, Violão, Bateria, Baixo e Piano: The Self-Escape
Composto por: The Self-Escape
Produção Musical: The Self-Escape
Bateria em Try Again: Pupillo
Backing Vocals em Vintage Love, One-Way Ticket e Break Into Heaven: Bia Lemos
Trompete em Coming for Us: Nick Weaver
Violoncelo em Break Into Heaven: Artem Litovchenko

Gravação: Fábrica Estúdios
Técnico de Estúdio: Paulo Umbelino

Mixagem: Paulo Umbelino
Masterização: Gustavo Lenza
Selo: Fabrica Music

Foto da Capa: Victor Gran
Design da Capa: Marcovski

smn show

Com o álbum disponível no streaming em todo o mundo, The Self-Escape anuncia o show de lançado do disco de estreia. Será na noite do dia 8 de junho (um sábado) em Olinda (Recife), no fantástico Teatro Fernando Santa Cruz.

Ingressos já à venda aqui.

“Passei os últimos muitos meses elaborando uma forma única e disruptiva de entregar esse álbum para vocês. Então, teremos não só as músicas novas, como também: formação nova, estrutura nova e num tipo de lugar que nunca toquei antes: um teatro”, ele comenta.

Serviço

Save My Name – Show de Lançamento
Local: Teatro Fernando Santa Cruz
Endereço: Avenida Dr Joaquim Nabuco – Varadouro, Olinda/PE
Data: Sábado, 08/06
Ingressos: 1º Lote – R$30 – Sympla
Horário: 19h (portas) e 20h (show)

Conheça mais o The Self-Escape

Instagram
www.instagram.com/theselfescape

Spotify
open.spotify.com/artist/7I8zWeB6H1VuLk6eLq6luy

Youtube
https://www.youtube.com/@TheSelfEscape

Andressa e Lucas POP CYBER

Andressa Urach revela que não vai parar de produzir conteúdo adulto durante nova gravidez

foto Chico Bernardes Photo by Berro 3 Quadrado POP CYBER

Chico Bernardes apresenta “Motivo”, segundo single de seu próximo álbum