Connect with us

Entrevistas

Entrevista: Siamese lança “Overdose Sessions”

Published

on

CAPA OVERDOSE SESSIONS scaled
(Foto: Divulgação)

Siamese acaba de lançar o projeto visual “Overdose Sessions”, uma nova versão do EP lançado em 2019. Assim como o EP original, o projeto visual conta com cinco canções, sendo elas “Iguais”, parceria com a banda Tuyo“Bixa no Rap”, parceria com Danna Lisboa“Vai Voltar”, com Boombeat“Fim”, que ganhou um novo arranjo especialmente para esse projeto; E por fim, “Overdose”, que dá nome ao EP. O POP CYBER conversou com Siamese, leia a entrevista:

Seu último lançamento foi o “Overdose Sessions”, uma versão nova do EP lançado em 2019, com parcerias de Tuyo, Danna Lisboa e Boombet. Como foi a experiência de tocar com esses artistas lá em 2019 e agora em 2021?

É uma experiência incrível trabalhar com artistas que admiro, além de parceiros na música tenho o privilégio de ter a amizade deles, isso torna o projeto ainda mais especial. É sempre bom estar perto, compartilhar momentos e experiências juntes, cada conversa é um aprendizado, uma troca saudável e transparente. A maior diferença é que em 2019 estávamos em outro momento das nossas carreiras, era meu segundo EP e nele trato de assuntos íntimos e sentimentais e ter essas artistas trazendo suas individualidade nele fortaleceu o processo.Hoje já tivemos a oportunidade de nos encontrar em momentos importantes como: feiras de músicas e nos palcos. Sinto que eu amadureci artisticamente, sempre foi um desejo ter todos os visuais das músicas e no Overdose Sessions foi como uma celebração de tudo isso. A gente fala um pouco de como foi o processo de criação das músicas no documentário que produzimos nos bastidores do Overdose Sessions, serão 5 episódios com lançamento de 1 por semana no meu IGTV, o primeiro episódio já está disponível. Podem aguardar mais novidades e uma mistura gostosa, porque logo tem o lançamento dos remix das faixas com a Boombeat, Danna Lisboa e Tuyo. Em “IGUAIS” remix tem produção musical do Machado da Tuyo assinado pelo seu selo FLWVLW, na faixa “BIXA NO RAP” remix tem produção musical do Tirado e a faixa “VAI VOLTAR” remix tem produção musical da Veronicat.

Como é ser um artista negro não-binário LGBTQI+ no mercado musical hoje?

Estamos cada vez mais ocupando espaços na indústria musical e isso vai refletir na sociedade em geral, nos enxergar em ambientes que não nos víamos antes. Fazer parte dessa transformação é desafiador e gratificante, saber que minha arte motiva e inspira as pessoas dá mais garra pra seguir produzindo e acreditando. Há uma imensa diversidade de corpas pretas e LGBTQIA+ só que nem todas conseguem ter visibilidade, falta oportunidade de estarmos presentes nas mídias em geral, de forma naturalizada e para além de meses ou datas específicas. Estamos presentes 24 horas por dia o ano todo na sociedade, só que nossos trabalhos não são pautados ou priorizados.

Sobre a faixa “Bixa no Rap”, quais preconceitos você considera que ainda se perpetuam no Rap contra a comunidade LGBTQI+?

A sociedade em geral é cheia de preconceitos e isso se reflete no Rap e na cultura Hip Hop. Falta há inclusão de artistas LGBTQIA+ nos lineup de festivais, playlists e mídias voltadas ao Rap. Temos representantes de todas as siglas fazendo rap só que nosso trabalho acaba que fica em nossa bolha social. Nossas pautas são de extrema importância para o Brasil atual e muitos dos preconceitos que vivenciamos seriam diluídos se tivessem mais trocas de saberes e intersecção de realidades

Quer deixar algum recado?

Quero agradecer a vocês do Pop Cyber pelo espaço e suporte, fiquei feliz em poder mostrar um pouco da minha arte e trocar essa ideia com vocês. Obrigado pelo carinho e me acompanhem nas redes socias e plataformas de streaming. Um Beijo Siamese :*

Jornalista, 23 anos, produtor de conteúdo, trabalho com marketing digital na indústria fonográfica. E-mail: [email protected]

Advertisement