in

Vaza vídeo íntimo atribuído a Thais Carla

Internautas denunciam godofobia ao compartilhar vídeo antigo com falsa identificação da influenciadora

Thais Carla ABRE POP CYBER
(Foto: Reprodução)

Na última semana, a X (antigo Twitter) foi palco de uma polêmica envolvendo um vídeo íntimo atribuído erroneamente à influenciadora Thais Carla. O material gráfico, que retrata uma mulher tendo relações sexuais de maneira não convencional com um rapaz, gerou grande repercussão na plataforma.

O conteúdo viralizou rapidamente, acompanhado de comentários que apontavam para a prática de godofobia, uma discriminação associada ao peso da mulher nas imagens, já que ambos os envolvidos são obesos. No entanto, uma investigação mais aprofundada revela que a mulher no vídeo não é Thais Carla, e as imagens circulam na internet há alguns anos.

A confusão gerada pela falsa identificação expôs uma realidade alarmante sobre os riscos da disseminação irresponsável de conteúdo na era digital. Ainda que a godofobia seja uma questão séria e preocupante, é crucial distinguir entre situações reais e falsas para evitar danos irreparáveis à reputação de pessoas inocentes.

Thais Carla, conhecida por seu ativismo em prol da aceitação do corpo, rapidamente se manifestou em suas redes sociais para esclarecer que não é a pessoa no vídeo e condenou veementemente a prática de godofobia. A influenciadora aproveitou a oportunidade para alertar sobre os perigos das fake news e pedir responsabilidade nas redes sociais.

O incidente levanta questões importantes sobre a ética no compartilhamento de informações nas plataformas online e destaca a necessidade de verificação antes da disseminação de conteúdos sensíveis. A falsa identificação de Thais Carla no vídeo íntimo serve como um alerta para a importância da responsabilidade digital e do combate às práticas discriminatórias que permeiam a internet.

Renato Shippee Karen Kardasha POP CYBER

+18: Nude de Renato Shippee vaza na web

Petrilli POP CYBER

Petrilli versa sobre sonhos e desafios em “Correndo Atrás”