Zezé Di Camargo e Luciano em 30 anos – É o amor”

Dupla se apresenta no PAVILHÃO PACAEMBU, no Dia dos Namorados

Nem Zezé Di Camargo e Luciano sabem muito bem como é que 30 anos se passaram desde que “É o Amor” se consagrou de Norte a Sul do país, sendo, de tempos em tempos, regravada pelas vozes mais plurais da Música Brasileira. Por mais planejamento que tenham traçado nessas décadas, parece espantoso até para eles o fato de estarem em voga de modo tão constante, por todo esse tempo, período que parece um grão na história da humanidade, mas que tem absoluta relevância no quebra-cabeça da vida da gente. Neste contexto e por tanta referência, a dupla mais romântica do Brasil vai se apesentar no Pavilhão Pacaembú, em 12 de junho, Dia dos Namorados.
E lá se vão três décadas desde que “É o Amor” chegou à rádio Terra de Goiânia (GO), em uma singela fita K-7 levada por Seu Francisco Camargo, pai de Zezé Di Camargo e Luciano. De lá pra cá, a canção composta por Zezé acumula mais de 70 regravações, incluindo intérpretes que a lançaram em hebraico e russo, somando mais de 1 bilhão de execuções no mundo, segundo dados do ECAD.

E é no embalo do hit que os alçou ao sucesso que os irmãos prometem um show memorável aos apaixonados. A profundidade que se faz presente nessa história, de certa forma, inspira a ilusão ótica dos painéis de LED que estampam imagens e cenários ao fundo do palco de “30 anos – É o amor”. O espetáculo em questão celebra, em grande estilo, a turnê dos 2 Filhos de Francisco em todo o Brasil, mas que ganhará alguns elementos surpresas no Pacaembu. Com muitas imagens em telões e efeitos de luzes, 30 ANOS – É O AMOR faz “uma viagem no tempo”. “Teremos aquelas canções que não necessariamente foram trabalhadas nas rádios, de 1991 para cá, mas que o público gosta, sempre cantou e pediu nos shows. Agora, atendemos os pedidos”, afirma Luciano.

Segundo Zezé Di Camargo, no repertório, o público poderá contemplar um pedacinho de cada época da dupla, durante toda a sua trajetória. “Vai ser uma apresentação especial para os fãs, num lugar em que a gente tem certeza de que muitos já foram para torcer por seu time. Se o seu coração já bateu tão forte pelo seu time, faz agora ele pulsar no ritmo das músicas do nosso show e ao lado do seu amor”, sugere Zezé.

PLAYLIST DO AMOR:

“Fera Mansa”, “Como Um Anjo”, “Vivendo Por Viver”, “Dou a Vida Por Um Beijo”, “Você Vai Ver”, “Toma Juízo”, “Preciso Ser Amado”, “Tarde Demais”, “Tão Linda e Tão Louca”, “Pra Não Pensar em Você”, “Estrada da Vida”, “Do Outro Lado da Cidade”, “Ainda Ontem Chorei de Saudade”, “Dois Corações e Uma História”, “Sem Medo de Ser Feliz”, “Me Leva Pra Casa”, “A Ferro e Fogo”, “Na Hora H”, “Indiferença”, “Pedras”, “Mentes Tão Bem”, “É O Amor”, “No Dia Em Que Eu Sai de Casa”, “Flores Em Vida”, “Sonho de Amor” e “Mexe Que é Bom”. Essas serão algumas das músicas que vão compor o repertório na noite dos namorados.

SINÔNIMO DE SUCESSO:

São mais de 40 milhões de cópias vendidas. Só no Brasil, somam cerca de 120 shows por ano, com público médio de 30 mil pessoas, enquanto avançam fronteiras pelo mercado latino vizinho ao Brasil, com sucesso esplendoroso. A façanha maior, no entanto, está na permanência constante no top das paradas de sucesso durante esses décadas, Em 2005, quando a dupla emprestou a sua história ao cinema para o longa-metragem “2 Filhos de Francisco”, as bilheterias fizeram jus à saga da família Camargo, com mais seis milhões de ingressos vendidos. Em 2018, eles também estiveram em cartaz com o musical sobre eles, uma produção brilhantemente assinada pela T4F.

A “viagem no tempo”, que agora se apresenta, surge como oportunidade rara, e muito especial em razão da celebração pelos 30 anos de uma história de sucesso, de percorrer toda essa linha do tempo por meio das canções que fazem sua trilha sonora. E, ouvindo todo o repertório, é de se perguntar se realmente se passaram três décadas, ou se tudo parece ter sido cantado ontem mesmo, um pouco pela falta de noção que a velocidade do tempo nos impõe, um pouco pela permanência dessas canções na nossa memória afetiva. Que Bom!

“É o Amor” – em gênero, número e grau de emoção

Dupla se orgulha dos números, parcerias, prêmios e laços construídos ao longo desta história dos filhos de Francisco

Em 19 de abril de 1991 nascia oficialmente a dupla Zezé Di Camargo e Luciano. Por conta da pandemia, a turnê comemorativa acontece agora, quando a dupla celebra a data que remonta aos dias que o pai passou a entupir seus colegas da obra onde trabalhava, na construção civil, com fichas telefônicas e pedidos, diretamente do orelhão, pela execução da música no rádio. Foi exatamente como o saudoso diretor Breno Silveira mostrou no filme “Dois filhos de Francisco”, que levou mais de 7 milhões de pessoas aos cinemas e garantiu altos índices de audiência em inúmeras exibições pela TV.

São bilheterias como esta que a dupla se orgulha de ostentar em sua trajetória, onde não falta livro (“Simplesmente Helena”, com 400 mil exemplares vendidos), musical (“Dois Filhos de Francisco”, visto por mais de 100 mil pessoas nos teatros do Rio e São Paulo) e filme que representou o Brasil em uma indicação ao Oscar, sem falar em tema de Carnaval, com homenagem da escola de samba Imperatriz Leopoldinense (pelo enredo “É o Amor que mexe com minha cabeça e me deixa assim”) e tributo pelos históricos Bonecos de Olinda.

A discografia da dupla fala por meio de números e emoções, com mais de 40 milhões de cópias vendidas para 27 CDs e 1 EP, além de 6 DVDs. Na galeria de prêmios, os irmãos sustentam cinco estatuetas do Grammy Latino, entre seis indicações. Por vendagem de discos, acumulam 20 Discos de Platina, 15 Discos de Platina Duplo, 27 Discos de Ouro, 27 Discos de Prata e 27 Discos de Diamante.

Por três anos consecutivos (2016 a 2019), estiveram no topo da lista de artistas que mais fizeram campanhas publicitárias no Brasil, endossando assim uma forte identidade com o público.
Foram 20 músicas em trilhas sonoras de novelas da Rede Globo e até algumas participações em cena, como em “Pecado Capital” (1999), “Chocolate com Pimenta” (2003), “América” (2005) e “Cheias de Charme” (2012).

Zezé Di Camargo e Luciano têm ainda o recorde de 500 mil pessoas em um único show, em Salvador. Em outra apresentação, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, reuniram 250 mil pessoas.

Eleito pela revista Veja como um dos maiores artistas do século 20, Zezé está entre os dez compositores que mais arrecadam por direitos musicais no Brasil.

Nessa estrada, tampouco faltam nomes que honram o histórico da dupla com grandes parcerias, como Willie Nelson e Julio Iglesias, entre nomes internacionais, e representantes de todos os acordes da música brasileira, de Chico Buarque a Roberto Carlos, de Caetano Veloso a Fagner, de Domiguinhos a Sérgio Reis, de Maria Bethânia a Ivete Sangalo, de Luan Santana a Nando Reis, de Chitãozinho e Xororó a Daniela Mercury, de Paula Fernandes a Exaltasamba, de Gusttavo Lima a José Augusto, de Bruno e Marrone a Raça Negra, de Marília Mendonça a Leandro e Leonardo, de Marília Mendonça a Thiaguinho..

É O AMOR – O INÍCIO

Para coroar essa narrativa, enumeramos abaixo a lista dos nomes que já regravaram “É o Amor”, incluindo versões mexicanas, argentinas, hebraica e instrumentais, com destaque para o aclamado Ray Conniff.

1 – Zezé Di Camargo e Luciano
2 – Alex Cohen
3 – Banda Bem Brasil
4 – Banda Tradição
5 – Bonde do Brasil
6 – Dudu & Darli
7 – Bruno e Marrone
8 – Diego e Ricardo
9 – Donizetti
10 – Flor em Pele
11 – Fábio Junior
12 – Henrique e Diego
13 – João Neto e Frederico
14 – Leandro e Leonardo
15 – Léo Magalhães
16 – Luciano Costa
17 – Maria Bethânia
18 – Marinês
19 – Mastruz com Leite
20 – Mexe Ville
21 – Minuano
22 – Nação Forrozeira
23 – Oxente Forro Mania
24 – Quinta Essência
25 – Rosário Negro
26 – Sambalanço
27 – Supermix Samba
28 – Thales e Thiago
29 – Villa mix Festival 2015
30 – Vanessa Camargo
31 – Gusttavo Lima
32 – Ray Conniff
33 – Lucas Lucco
34 – Vanessa Jackson
35 – Raça Negra
36 – Lilach Davidoff ( hebraico )
37 – OS VIPS
38 – Wilson & Soraia
39 – Diego & Sebastian – (Argentina)
40 – Ramiro Delgado & Ruan Moreno (México)
41 – La Mafia (Argentina)
42 – Ralf – (Solo Italiano)
43 – Vanutti
44 – Roni Motta
45 – Maestro Zezinho (Instrumental)
46 – André Mazini
47 – Marcelo Barra
48 – As Meninas Cantoras de Petrópolis
49 – Evaldo Tocantins (sax)
50 – Luiz Fernando
51 – Banda Mel
52 – Coral Municipal Uirapuru
53 – Tony Maia
53 – Lindomar Castilho
54 – Grupo Papo 10
55 – James & Danilo
56 – Jaime Villalba
57 – Banda do Maestro José Paulo Soares
58 – Pespuma, Henrique e Claudinho – Tonny Tavio e Zé Rhael
59 – Adelmo Cazé
60 – João Henrique & Fernando
61 – Anna Gue
62 – Wando
63 – Banda Plinta
64 – Alma Serrana
65 – Maestro Janio Santone
66 – Leonardo & Luciano
67 – Busão do Forró
68 – Eduardo Lages
69 – Caio Mesquita
70 – Hebe Camargo
71 – Caio Henrique / Enzo & Eder/ Vitoria Lopes

Que venham mais 30 anos e outras tantas histórias dispostas a celebrar cada verso, cada acorde, cada aplauso, com o mesmo amor e inspiração que Zezé Di Camargo e Luciano têm alimentado e reverberado ao longo das últimas três décadas. O prazer em estar no palco é todo deles.

Written by Redação

Trazemos diariamente conteúdo original e informativo para o público que quer acompanhar, em tempo real, os acontecimentos no cenário do entretenimento nacional e internacional.

Gutierrez Castro, criador da Leuriscleia, lança música “Sem Você”

Sem censura Watzgood e Mark Ursa lançam videoclipe com imagens de um parto para seu novo lançamento Adagio for Strings

Sem censura! Watzgood e Mark Ursa lançam videoclipe com imagens de um parto para seu novo lançamento “Adagio for Strings”