XAUIM estreia carreira artística com lançamento de clipe e single

capa do single com nome scaled

O nome do single de estreia do cantor e compositor baiano XAUIM (@xauim) não poderia ser mais provocativo. Pra Quem Quiser Ouvir chega nesta sexta-feira (21) às plataformas digitais abrindo caminhos e dando a rota do projeto que o artista apresenta até o fim do ano: uma série de singles que, de algum modo, têm no tempo o denominador comum.

“De repente ontem é hoje, e hoje é o que experimentamos ontem”, anuncia o jornalista e sociólogo Muniz Sodré nos primeiros segundos da faixa. A frase, retirada de uma entrevista em que o intelectual tenta descrever um aforismo de Exu, foi uma das inspirações para a composição feita na quarentena, mas cujo sopro veio de todos os lados e em tempos distintos.

Em Pra Quem Quiser Ouvir, XAUIM aproxima vozes: a de Muniz Sodré; a sua própria, que se sobrepõe em gritos e ecos; e também a de várias mulheres (Camilas, Driicca Bispo e Mariana de Oliveira), cujo entrelaçamento origina um coro circular, representação de um tempo profundamente conectado à ancestralidade afro indígena, aos rituais religiosos e ao território latino-americano. Tanto assim, que são essas vozes femininas a entoarem uma frase em espanhol que também dialoga com a Saga de Exu: “La puerta que abre cierra no siempre hay caminos tan claros pa ver”.

O afro groove é o gênero sob o qual se finca o single. O samba de roda do Recôncavo é clave rítmica basilar da faixa, que tem a produção musical assinada por Átila Santana e a percussão pelo talentoso Ícaro Sá.

Composta em Saubara, também no Recôncavo – onde XAUIM está morando há mais de quatro meses por conta do isolamento social –, a música é uma ode à dança, ao canto e à musicalidade capazes de fazer corpo e espírito se unirem em uma experiência terrena transcendental.

O clipe, produzido e dirigido pelo próprio cantor, que também é fotógrafo e videomaker (@matheusl8), foi filmado na roça de seu avô materno, com a ajuda de um primo. A edição foi compartilhada com Gustavo Korontai.

“A religiosidade é uma lente presente nessa canção. E quando falo em religiosidade, é a forma de ver e lidar com a existência, corpo, vida, tempo e tudo mais”, diz o artista, sem abrir mão da metáfora fotográfica. “Por mais que eu não tenha vivência em religião, tenho a consciência que essa religiosidade me atravessa no pensamento, cultura e quem sabe no plano espiritual”, complementa.

Written by Gustavo Neves

Além de gerenciar o conteúdo do portal, trabalho com marketing digital na indústria fonográfica com serviços prestados à gravadoras e grandes artistas.

Bazzi lança novo single crazy

Bazzi lança novo single “Crazy”

Mc biel pdr estreia fé na maluca ft. Mc fael halls

MC Biel PDR estreia “Fé na Maluca” ft. MC Fael Halls