Neymar aposta mais de R$ 1 milhão em torneio de poker na Europa

neymar jr world cup ept bar 22 r6dm7623 dmp2022.jpg 231334169 1
(Foto: Assessoria de Imprensa)

Atacante do Paris Saint-Germain e titular absoluto do Brasil na Copa do Mundo no Catar, Neymar Jr. participou do torneio mais caro da série europeia de poker, em que fez duas entradas no valor de € 100 mil, o que equivale a mais de R$ 1 milhão. A segunda entrada ocorreu em função de ter sido eliminado já no primeiro dia da competição. O evento aconteceu em pleno verão de Barcelona, onde o craque começou sua carreira internacional como jogador de futebol, ao lado de Lionel Messi e Luis Suárez, e ganhou vários prêmios. No meio dos maiores profissionais do baralho, Neymar usava boné e óculos escuros, mas ficou longe de passar despercebido.

Um fato curioso é que Neymar pôs uma réplica da taça Fifa na mesa do jogo, como se quisesse nos fazer lembrar que o hexa da Seleção Brasileira pode vir por aí. Aliás, havia outro brasileiro em campo: Pedro Garagnani. Embora tenha ensacado menos fichas do que o camisa 10, Garagnani não demorou a dobrar seu stack (quantidade de fichas que cada jogador recebe no início da partida), firmando-se como uma das grandes figuras da European Poker Tour. O prêmio final girou em torno de quase € 2 milhões.

Neymar é apaixonado por jogos em geral. Em várias ocasiões, inclusive, ele fez menção ao universo dos eletrônicos em suas comemorações aos gols marcados nos gramados do mundo afora, fazendo dancinhas ou simulando cenários desses jogos. Também já foi personagem ou ícone de games como PUBG e Fortnite. Mas, sua maior paixão, nesse sentido, talvez seja mesmo o poker e as apostas. O lado bom para quem tem um passatempo semelhante e acredita que o craque irá brilhar nos jogos da Seleção é que é possível visitar as casas de apostas brasileiras e dar um pitaco nas partidas da Copa do Mundo desde agora, ou em torneios de outros esportes, como o vôlei e jogos eletrônicos.

A caminho do Catar

Rumo ao hexa, o Brasil de Neymar estreia na Copa do Catar no dia 24 de novembro, contra a Sérvia, pelo grupo G, que também conta com a presença de Suíça e Camarões. Em caso de classificação, o que é mais do que provável, a Seleção vai se deparar com algum dos quatro times do grupo H: Portugal, Gana, Uruguai ou Coreia do Sul. Seja qual for o adversário, ninguém espera facilidade.

Portugal é liderado por Cristiano Ronaldo, cinco vezes eleito o melhor jogador do mundo, e, depois da Argentina, o Uruguai é um dos nossos fortes rivais na América do Sul, por exemplo. A própria Gana enfrentará o Brasil em setembro, num amistoso preparatório, o que pode vir a ser uma boa oportunidade de estudo. Nesse mesmo período, haverá outro amistoso, o último antes da Copa, com a Tunísia, que caiu no grupo da França, atual campeã do torneio.

Tite, o técnico da Seleção, ainda não fechou a lista de jogadores a serem convocados. A dúvida entre o público e na imprensa é grande, especialmente no que concerne ao setor ofensivo do time. Para a nossa alegria, a questão não é de escassez, e sim de excesso. Além de Neymar, que não tem como não ser chamado, porque é nosso principal talento, há tantas outras belas opções, dentro e fora do país: Gabriel Jesus, Martinelli e Richarlison, na Europa, e Pedro e Gabigol, que defendem o escudo do Flamengo no Brasileirão, só para lembrar de alguns. Espera-se que Tite reserve de sete a nove vagas ao posto de atacante na sua lista.

Mesmo que ainda não tenha vencido uma Copa, o camisa 10 da Seleção acumula números incríveis. Cheio de recursos, com dribles e lances geniais, ele já soma 55 assistências e 74 gols em 119 partidas pelo Brasil, sendo o segundo dos seus maiores artilheiros, atrás apenas de Pelé, que balançou as redes 77 vezes. Aos 30 anos, Neymar tem tempo de sobra para superá-lo. A esperança é que isso aconteça até o fim do ano, erguendo um troféu, de preferência.

A Fazenda 2022: Veja lista oficial de participantes

Dupla Pedro Sanchez e Thiago desembarcam hoje em Ponta Grossa