Música eletrônica com influências do rap: Só Track Boa lança “Hype”, de EME e Mothif

Muitos artistas buscam uma fórmula mágica ou receita a seguir para criar músicas que agitam a pista e embalam bons momentos. A resposta é incerta e há quem diga que hoje em dia o mercado segue métricas para fazer uma música estourar. Se você perguntar para o mineiro EME e o paulista Mothif, possivelmente a resposta será muita house music com uma pitada de rap nos vocais, mistura que eles provam funcionar em “Hype”, estreia dos artistas na gravadora Só Track Boa que chega dia 15 a todas as plataformas digitais.

Misturar gêneros musicais, inclusive, é o que EME faz de melhor. “Não sigo tendências ou gêneros. Gosto de produzir música eletrônica de qualidade, independente do estilo, mas mantendo uma identidade”, explica o mineiro que já tem quase 3,5 milhões de plays somente no clipe de “Say Goodbye”, parceria com Zeeba lançada em 2019 (assista aqui). EME também já frequentou a lista das 100 músicas mais tocadas do Spotify e foi capa de playlists como a Eletro BR na mesma plataforma.

Agora em sua estreia pela Só Track Boa, EME une-se ao paulista Mothif, um parceiro de produção de longa data, para criar uma música que aposta na energia de uma linha de baixo envolvente e percussão bem construída e dançante com um vocal empolgante. “Hype é uma produção voltada para o bass house, mas o vocal e toda a influência do rap americano ajudam a dar uma sensação ainda mais de pista. Ele chegou com aquele vocal e em cima disso eu adicionei a melodia e a parte harmônica. Desta base, começamos a desenvolver a track”, contextualiza, contando que os dois já lançaram música juntos quando o nome do projeto do paulista ainda era LuGroove.

Em apenas dois anos de carreira, EME saiu de Uberaba, no interior mineiro, para tocar nas pistas do mundo. O artista já acumula passagens por algumas das principais pistas do Brasil, além de turnê que passou por Estados Unidos, Argentina e Paraguai. Festa do Tim, Café de la Musique, P12, Le Barbaron, Villa Mix, Pacha Tour, Sirena Tour, Crobar (Argentina), Wall (Miami), Redford (San Francisco), Attic (Orlando), Live (Miami) entre outros já dançaram em suas apresentações, marcadas por muito groove e shows bem produzidos. Sempre simpático, o mineiro esbanja presença de palco e cativa o público.

Com a volta gradual dos eventos, o jovem artista projeta um ano brilhante e de consolidação dessa rápida ascensão na cena eletrônica. “É complicado descrever música em palavras, música é sentimento. Não acredito em estilos musicais, mas sim em uma mensagem que podemos passar com cada uma delas”, traduz o artista, que dessa forma vai espalhando alegria e boa música por onde passa.

Why Don’t We lança novo álbum Tthe good times and the bad ones”

As Baías fecham álbum “Drama Latino” com feat ao lado de Luísa Sonza