Marcos Freire prepara projeto cristão com ritmos do Nordeste

Natural de Campina Grande/PB, cantor fez promessa após participar do Maior São João do Mundo, em sua cidade natal

Marcos Freire no Maior São João do Mundo_01
Caldi Comunicação

Dono de voz impactante e dom para ministração, Marcos Freire é um dos maiores destaques do gospel atualmente. Para provar esta consagração, o cantor participou, pela quarta vez, do Maior São João do Mundo, em Campina Grande, Paraíba, onde nasceu e foi criado. Após o grande feito em ser artista gospel e estar na programação da festa, ele prometeu aos fãs gravar um projeto com os ritmos nordestinos, como forró, baião, xote, xaxado.

Por meio de suas redes sociais, Marcos lançou um desafio: se a publicação chegasse a mil comentários, registraria o projeto. Com quase um milhão de seguidores, foi questão de pouco tempo para que o post alcançasse a marca estipulada, e agora ele começa os planejamentos para o novo audiovisual.

“Durante a minha apresentação no São João, comentei que Deus gosta, sim, de forró. Ele é o criador de todos os ritmos. E esse gênero tão dançante, alto astral e apaixonante, o Senhor confiou nas mãos dos nordestinos para que ele seja mais um instrumento, que toda língua confesse ser Jesus Cristo o Rei dos Reis”, afirma Marcos. “Deus tem queimado em meu coração para fazermos um DVD em breve. E acredito que Ele tenha escolhido esse momento para nos mostrar que não há forma errada de adorá-lo. O errado é não ser um adorador”.

Com mais de 50 milhões de streams em seu canal oficial do YouTube, Marcos conta com muitos sucessos em sua discografia, como “Farás Outra Vez”, “Não é Homem Para Mentir”, “Ouço Deus Me Chamar”, o grande hit “Yahweh Se Manifestará”, entre outros.

Ainda sem data para ser gravado, o novo audiovisual de Marcos Freire deve chegar ao público ainda este ano, garante o cantor.

CAPA-SINGLE---NEM-A-PAU--1-

Yasmin Santos estreia novo projeto com “Nem a pau”, em parceria com Simone Mendes

Tatiana Dauster surge poética e lisérgica em “Azul (Bem Nuvem)”

Tatiana Dauster surge poética e lisérgica em “Azul (Bem Nuvem)”