Kabaka Pyramid e Damian Marley lançam “Red, Gold & Green” em ode às cores do Reggae

O vermelho, amarelo e verde juntos significam algo grandioso para muitas pessoas. Para Kabaka Pyramid e Damian “Jr Gong” Marley, dois dos maiores nomes do Reggae internacional, uniram sua sinergia musical para destacar o significado das cores para a tradição Rastafari e o gênero musical. Com lançamento previsto para 22 de julho, “Red, Gold & Green” está repleta de nuances e versos imaculados pelos quais ambos os artistas são bem conhecidos. Além de participar da faixa, Damian Marley também assina a produção do single.

O resultado da colaboração entre Kabaka Pyramid e Damian Marley, que já se apresentou no Brasil, no festival SWU, é um presente aos ouvintes: letras impactantes, musicalidade e melodias. Do refrão bem harmonizado, ao ritmo contagiante do reggae e versos perspicazes, esta faixa é uma continuação da música de qualidade pela qual a Ghetto Youths International e Bebble Rock – nomes dos selos de Damian e Kabaka, respectivamente – são famosos.

“Red, Gold and Green está realmente chegando à raiz da bandeira etíope como um símbolo do Rastafari globalmente e o que realmente significa da nossa perspectiva, aqueles que a vivem e o que significa levar essa mensagem através da música”, diz Kabaka.

Enquanto Kabaka fala sobre o aspecto musical e o significado de manter a tradição apesar da mudança dos tempos, Damian Marley, que é filho do Rei do Reggae com a Miss Mundo Cindy Breakspeare, complementa com um verso igualmente liricamente potente. Gong torna-se poético sobre a ligação entre a Etiópia, Haile Selassie I e a tradição Rastafari com facilidade.

Embora essa dupla dinâmica tenha se ligado em outras faixas e produções, esta é especial em seu foco em uma missão e significado. Ela transmite uma mensagem comovente e importante sobre autenticidade e nos lembra identidade e da tradição. A música educa sem confundir; elabora sem meandros, mas o mais louvável é que não poupa as conexões muitas vezes ausentes entre as culturas.

“Quando agitamos a bandeira ao redor do mundo, trazemos os ensinamentos e a inspiração de Haile Selassie I para as massas, algumas que veem as profundezas do Rastafari e outras que o veem apenas como um estilo e estritamente música. Queremos que as pessoas saibam que levamos a sério nossa tradição e herança e que essas cores têm um significado mais profundo do que apenas uma combinação de cores quaisquer. Todos são bem-vindos para participar da vibração, mas também é bom tirar um tempo para conhecer o Rei e adicionar significado a essas cores divinas”, diz Kabaka Pyramid.

O nome “Kabaka” é ugandês para “Rei” e a sobrevivência duradoura das Pirâmides da África antiga representa seu desejo de longevidade na música e profunda conexão com as raízes keméticas, deixando mensagens para as gerações vindouras. Kabaka Pyramid é bem conhecido por músicas como Warrior, Well Done e Can’t Breathe, que se concentravam mais nos desprivilegiados que muitas vezes são ignorados pela sociedade – e os poderes constituídos, assim como Reggae Music e Nice Up the Dance que trazem fortes representações da cultura jamaicana. O álbum de estreia de Kabaka, “Kontraband” foi recebido com aclamação da crítica e marcou a primeira parceria dele com Damian, no sucesso homônimo. Somente no Youtube, o artista coleciona mais de 40 milhões de visualizações e está presente nos maiores festivais de reggae do mundo como Summerjam (Alemanha), Caliroots (EUA) e Rototom Sunsplash (Espanha).

LIA fala sobre nova fase da carreira: “Quero criar canções mais profundas”

Tom Martin lança seu primeiro trabalho como cantor