Connect with us

Eventos

Festival CoMA – Consciência, Música e Arte anuncia a 4ª edição, “Laboratório de Mundo”

Published

on

CoMA FB Capa Evento Prancheta 1
Arte: Camila Koproski

Para celebrar sua 4ª edição, o Festival CoMA faz um convite para co-criação de um Laboratório de Mundo, tema que compõe a jornada deste ano. A partir de trilhas imersivas sobre “Consciência”, “Futuros” e “Arte”, o propósito é gerar conexões capazes de impactar, inspirar e pulsar um ambiente mais humanizado, criativo, auto responsável e interativo. Este percurso teve início com o podcast semanal Laboratório de Mundo, conduzido pela artista multimídia Linn da Quebrada, que tinha o objetivo de debater assuntos transformadores hoje para um futuro mais consciente. Agora, as reflexões iniciadas nos episódios se expandem e ganham novas inspirações na edição híbrida do festival brasiliense, marcada para acontecer entre 25 e 31 de outubro. Confira a programação completa (acesse aqui).

Com a intenção de impulsionar múltiplos caminhos ao conhecimento, o CoMA propõe – nesta edição – três diferentes trilhas: “Consciência”, apresentando as três ecologias que compõem a vivência de cada um, “Futuros”, que reflete sobre propósitos e seus impactos, e “Arte”, um passeio por produções atuais que irão dialogar junto ao ambiente do festival. Tais guias são diluídas em diferentes formatos de atividades, como as rodas de conversas intituladas “inspirações coletivas”, as oficinas e as experiências artísticas.

Nesta 4ª edição, o CoMA mescla interações virtuais e presenciais, pensadas para trazer opções em que a “mão na massa” proporciona uma experiência rica e inovadora. Com este conceito híbrido, o festival integra todas as potencialidades de experiência do Laboratório de Mundo que, desde o princípio, não se prende a um limite geográfico, chegando até mesmo a quem não estiver no país.

Com programações diárias, durante os sete dias de festival, o público poderá acompanhar todas as três trilhas que guiam o evento, a ideia é que possam conferir tudo sem ter que escolher entre uma atração e outra. “Não construímos nada sozinhos, somos mais de 40  instituições, movimentos e pessoas entregando esta edição do Festival para nossa cidade”, conta Mica Neiva – uma das curadoras do CoMA -, sobre a equipe por trás das oficinas, rodas de conversa voltadas para inspirações coletivas, exibições e atividades práticas. Toda a mobilização que acontece de modo híbrido também foi pensada para abraçar Brasília, com atrações imersivas na cidade.

Como parte da trilha da Arte, o festival também preparou uma Mostra de Videoarte com a curadoria de João Angelini: “Já somos outros mundos possíveis”. Os artistas que irão compor a mostra trazem múltiplas manifestações artísticas, e ficarão disponíveis durante todo o evento no site oficial do CoMA, na aba “Mostra” (confira aqui). Nomes como Pietra Souza, Helô Sanvoy e Alice Yura integram as exibições.

Acompanhe a programação completa abaixo.

Segunda-feira, 25 de outubro:
11h –  13h | Além da Normose: Trilhas da Vocação –  Roberto Crema
16h –  17h l Entre Ganhar Dinheiro e Impactar as Pessoas Eu Fico Com os 2 (Artemísia) – Mariana Fonseca (CoFundadora e CEO da Pipe Social).
18h – 19h l Deselitização da Boa Alimentação – Ellen Monielle (Eco.Fada) e Mariana Cardoso & Esdras Nogueira (Coma lá em Casa).

Terça-feira, 26 de outubro:
08h-8h40 | Prática Mindfullness – Gabriella Alencastro (UNIPAZ)
11h30 – 12h | Seu Dinheiro tem Servido ao seu Propósito? – Eduardo Moreira
14h – 16h l Perfumaria Ancestral –  Palmira Margarida
17h30 – 18h30 l Tendências pela Perspectiva da Gen Z e Empreendedorismo – Andreas Pinto (Fundadora da Born Lab)
19h – 21h l Curadoria como Memória para a Emancipação das Nossas Narrativas – José Eduardo Ferreira dos Santos, Vilma dos Santos (Acervo da Laje) e Gisele Lima (A Pilastra). Mediação: João Angelini
19h – 21h l Coragem da Cachaça – Masculinidades, Álcool e Saúde Mental – Fernando Pessoa e Rafael Gonçalves

Quarta-feira, 27 de outubro:
11h – 12h |Farmácia Verde: Extração de Ervas Medicinais – Alline Cipriano
14h – 16h l Perfumaria Ancestral –  Palmira Margarida
16h15 – 17h15 l Sobre nos (re) encantarmos! – Sidarta Ribeiro
17h30 – 18h30 l Sobre nos (re) integrarmos – Uma Inspiração da Permacultura – Sérgio Pamplona
19h – 22h l Bingolinho com Dj Maraski + Dj Odara – Local: Primo Pobre

Quinta-feira, 28 de outubro:
11h – 13h | Negócios de Impacto: Pontos de Partidas – Bebeto Zscaber e Choice
16h – 17h l Descolonização do Afeto – Geni Nuñez e Pietra Sousa
17h30 – 18h30 l Tecnologia para Expansão da Arte e Criação de Experiências Artísticas Digitais – Juliana Matos (The X Force) e Steve Ponto

Sexta-feira, 29 de outubro:
11h – 12h | Horta Fácil: Coletividades que Inspiram – Instituto Arapoti (Guará Ecológico) e  Juarez Martins (Horta Linda)
15h – 16h l Ambiente de Confiança e Autonomia Cuidadoria  – Patrizia Bittencourt
16h – 17h l Autocuidado e Ansiedade – Lydia Rebouças
17h30 – 18h30 l Imaginário Positivo – O Srta Bira e Márcia Rocha
20h – 21h l Exibição da peça de teatro “Vaca e Outras Moças de Família” – Direção: Renata Corrêa e Laura Araujo (Atuação: Fernanda Rocha, Juliana Mesquita, Larissa Mauro e Tatá Lopes)

Sábado, 30 de outubro:
11h – 13h l Saberes e Arte do Corpo com Deficiência (Mediação: Alê Capone) – Lua Cavalcante e Estela Lapponi
15h – 17h l Os Sonhos que nos Trazem Até Aqui [Reverbera] –  Samara Felippo, Zioti e Moara

Domingo, 31 de outubro:
19h – 20h | Voguaball com Yná Kabê – Preta Jam com Letícia Fialho Trio (participação Tonhão Nunes e Pietra Sousa)

Mostra de vídeo-arte:
“Já Somos Outros Mundos Possíveis” | Mostra de videoarte com curadoria de João Angelini
“Anatomia Feminina” e “Nada é Tão Clichê” | Alice Yura
“A Revolução Não Será Televisionada”, “Ep Extra” e “Famosos em Passeio” | Coletivo A Revolução Não Será Televisionada
“da cabeça às costas”, “Estão Sendo Tecidos” e “Refazendo Mitos” | Helô Sanvoy
“Devir Cosmo” e “Simpatia para o Bem Querer” | Lua Cavalcante
“Pedra Fundamental” e “Transfuture” | Pietra Souza
“Como Erguer Baronatos” e “Deformação” | Priscila Rezende
“Vão” e “Linha D’Água” | Rubiane Maia
“Cala boca já morreu!” e “Abrigo” | Coletivo TresPe

Advertisement
Advertisement