Connect with us

Música

Em registro sobre isolamento social, Grapapo conta sobre saudades da rua em “Lar”

Avatar

Published

on

WhatsApp Image 2021 02 26 at 05.22.48 1 e1614359446297
Foto: Divulgação

A nostalgia dos dias em que podíamos transitar livremente pelas ruas e pelos bares levou Grapapo a constituir seu novo trabalho. Cantando sobre a ausência da vida boêmia, o artista carioca lança “Lar”. Na música, que chega às plataformas digitais junto à clipe dedicado nesta sexta-feira (26), o cantor revela seu sentimento nostálgico e anseios em meio à pandemia.

Cravando parceria com o rapper e produtor musical angolano J Burce, a música é um relato composto após um desabafo nos bastidores dos primeiros meses de pandemia, que levaram ao isolamento social, em 2020. “Eu compus a música ‘Lar’ de entre junho e junho de 2020, de acordo com os registros dos meus stories. Eu estava totalmente quarentenado com o meu amigo e sócio de vida Alvares”, diz Grapapo sobre a composição.

“Alvares me chamou para passar uma semana na casa dele produzindo outros projetos que iam desde estratégias de marketing digital a conteúdo para marcas. E foi aí que surgiu essa música, do nada”, comenta o artista.

“A música ‘Lar’ é uma contradição do que passei na quarentena, ainda mais eu que sou quase ‘100% rueiro’, onde fui obrigado a ficar em casa por uma doença letal, sabendo que ali embaixo da janela tinha um mundo que acontecia. A rua acontecia e deixou de acontecer, com todos presos em casa, o medo de não saber o dia de amanhã, pessoas morrendo e a felicidade esvaindo”, completa.

“Poderia passar dias aqui falando dessa música, mas acho que cada um deva entender o que for melhor com essa faixa, ela tá indo pro mundo, cada um interpreta como achar melhor”, explica Grapapo.

“Lar”, além de um desabafo despretensioso, tomou forma junto à participação de J Burce. Conhecido por suas produções dentro e fora do Brasil, o angolano é responsável pelo rap na música. “Mais tarde veio o J Burce, mas a gente só se falava por call, trocamos a ideia do feat via call, então foi super tranquilo também”.

“O J é um profissional multitasking, ele faz tudo, tudo mesmo! Eu admiro como o J põe o espírito nas coisas. O cara é produtor, compositor, artista, fala não sei quantos idiomas”, revela Grapapo.

Com uma série de referências musicais, que vão desde ritmos de maracatu, manguebeat, neo MPB, hard core melódico, emo, e passam por nomes como BaianaSystem, Chico Science e Nação Zumbi, Francisco El Hombre, o artista revela que a introdução da música tem leitura fácil para os fãs de uma banda em específico. “É inegável que as guitarras iniciais de Lar lembram os timbres do Braza, não foi proposital, apenas saiu. Eu sou fã dos caras desde que lançaram o trampo em 2016, mas posso afirmar que essa referência veio só nessa primeira música, o resto do trabalho está muito diferente”, finaliza Grapapo.

+ Sobre Grapapo:

Alter ego do publicitário Gabriel Zepeda, Grapapo é uma expressão 360º, que engloba visual, referências e uma expressão musical muito consisa. Segundo o artista, “Grapapo é um personagem que habita em mim, é uma parte das personas que sou. É de fato uma ave que veio do espaço sideral e pousou na minha cabeça pra me transformar, para me fazer voar por todos os ritmos das músicas brasileiras sem preconceito com nada”.

“O Grapapo são as cores tropicais aqui do rj, é o vinho misturado com o gin. O Grapapo é pura embriaguez e subversão ao mesmo tempo. O Grapapo é o meu lado que que foi totalmente tolhido pelos trabalhos formais que passei na vida e não me deixaram ser criativo o suficiente dentro de uma coesão lógica”, explica.

 

Letra de “Lar”:

A gente lê tanta informação Entra em combustão

É ciclo vicioso

Obrigados a trabalhar

Perdendo a noção do tempo precioso

Que tal parar pra se desligar Pra poder pensar em algo novo

O álcool é a salvação É a salvação

Desse nosso jogo

 

Fico em casa

Mas a rua é o meu lar

Fique em casa

Fique em casa

Hoje não há bar da cachaça

 

Lá na rua não se sente mais a emoção da massa e o grave que arregaça hoje ficou na fumaça matando todo tempo enquanto o tempo não passa

Enquanto isso eu vejo o povo

Rezando para o pastor pra nascer de novo

Enquanto ele esconde o ouro

Eu tenho a minha fé e nela me renovo

Então é 1,2,3 cada dia mais um caso

Fique em casa não invada o meu espaço

Toca não toca não conto histórias nem falo, sou verdadeiro e sou livre tipo a ave Grapapo

Fique em casa não venha visitar

Porque a rua é o meu lar

 

Não precisamos de pastor

Nem de sermão

Pra nascer de novo

E eu te digo que na condição

De pecador assim me envolvo

Advertisement