5 tendências de blockchain e metaverso no mundo dos jogos em 2022

metaverso
Foto: Assessoria de Imprensa

Nestes últimos anos, alguns segmentos digitais surgiram e acabaram se popularizando no mundo dos jogos. Dois deles foram a tecnologia de blockchain e o metaverso, que chamaram a atenção de empresas de jogatina por conta do seu potencial e do que podem fazer por elas no ambiente virtual. E para entender mais sobre este fenômeno, um relatório da consultoria Newzoo mostra 5 tendências e possíveis desenvolvimentos relacionados ao blockchain e metaverso na jogatina em 2022.

  1. Consumidores começarão a aceitar games na blockchain

Apesar dos pesares, títulos como Axie Infinity criaram uma nova onda de desenvolvimento de games na blockchain. Apesar de óbvios benefícios, como a possibilidade de se divertir enquanto ganha dinheiro, esses jogos recebem muitas críticas de jogadores e criadores, principalmente por conta do alto custo para se começar a jogar e a qualidade da diversão. Por enquanto, há opções gratuitas como o cassino Bet365 Brasil que permite que você teste os jogos antes de tentar ganhar dinheiro. Além das apostas esportivas, a Bet365 é referência em jogatina virtual, e oferece bônus de boas vindas para novos jogadores.

De qualquer forma, a tendência, segundo a Newzoo, é de que games blockchain ganhem gráficos mais aprimorados e uma gameplay mais completa, o que poderá atrair novos usuários para este ambiente.

  1. Investimentos no metaverso serão acelerados

A ideia de metaverso é nova, e o seu potencial de crescimento já está atraindo investidores. Isso quer dizer que o dinheiro está jorrando para este setor, e a tendência é que isso se acelere em 2022. Enquanto empresas já ativas no universo digital tenderão a fortalecer as suas posições de liderança, outras farão grandes investimentos e aquisições para surfar a onda.

  1. Empresas de NFT se tornarão marcas de luxo

Os NFTs, ou tokens não fungíveis, já viraram febre entre as celebridades. E faz sentido, já que estas coleções de arte tendem a ser caríssimas e vêm se tornando símbolos de status e luxo. A Newzoo acredita que isso continuará se expandindo, e muitos influencers serão consumidores dos NFTs da mesma maneira que já são das grifes de roupas. Dessa forma, empresas e coleções de tokens em breve poderão se tornar marcas de luxo.

  1. Marcas de moda sairão na frente na corrida do metaverso

E por falar em grifes, a expectativa é de que empresas do ramo do vestuário capitalizem primeiro no metaverso, já que elas atraem a maioria dos consumidores do mundo e combinam bem com o mundo digital. Os avatares, expressão do usuário no universo digital, utilizam skins que podem ser adquiridas por grifes ou marcas comuns.

Por exemplo, a marca de luxo, Balenciaga, se uniu ao Fortnite para lançar skins junto à sua linha de roupas físicas – e enquanto as roupas reais têm um valor alto para a maioria da população, as suas versões digitais são vendidas por uma pequena fração do preço. Por seu lado, a Nike adquiriu a RTFKT, criadora de NFTs especializada em tênis digitais. Já a Adidas, além de estar investindo em um terreno virtual no metaverso, fez parceria com a coleção Bored Ape Yacht Club para criar os seus próprios NFTs personalizados.

  1. Crescimento do metaverso e medo de ficar para trás farão com que marcas comprem terrenos virtuais

Sim, os terrenos virtuais existem, e muitos já estão sendo vendidos pelo preço de terrenos reais. Metaversos como The Sandbox e Decentraland estão permitindo que marcas construam as suas lojas digitais para que lá ocorram eventos ou até mesmo experiências de compra virtual altamente realistas, seja para bens digitais ou virtuais. O lado bom disso tudo é que um terreno na web pode acomodar mais clientes que estabelecimentos reais, e há até mesmo projetos de construção de shopping centers digitais.

 

 

 

Lucas Pretti convida Carol Biazin para nova versão de “Garota Infernal” em seu projeto, “Sky Sessions”

Lollapalooza Brasil divulga horários dos shows e a divisão das atrações por palcos